terça-feira, 15 de julho de 2008

Liberdade Contratual...


Férias!Na conversa com as pessoas,nas mensagens,no ar,no vento,na vida de quem pertence ao meio público,seja trabalhando ou usufruindo,é o momento de encontrar-se em período de férias...Encontrar-se...(?), poder olhar para si e ter tempo livre para ir e vir,liberdade para gastar cada minuto com nada ou com o tudo que sempre se imaginou e quis,mas a correria do cotidiano não permitiu.
Há tempos eu não me sentia livre para acordar,livre para dar atenção a minha gatinha de estimação,livre para o ato tão simples de comprar um sapato e poder passar alguns minutos conversando com a vendedora,sem aquele olhar mal humorado de quem está sempre com pressa,mas sim com a desinteressada e gratuita conversa de quem quer apenas compartilhar a simpatia de sentir-se livre.
Livre de uma liberdade que não invade o espaço do outro mas explode por todos os meus próprios espaços,deixando-me ouvir a música que tão bem retrata o que hoje sinto:
Eu quis cantar
Minha canção iluminada de sol
Soltei os panos
Sobre os mastros no ar
Soltei os tigres
E leões nos quintais
Mas as pessoas da sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer...

Mandei fazer
De puro aço luminoso punhal
Para matar o meu amor e matei
Às 5 horas na Avenida Central
Mas as pessoas da sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer..

Mandei plantar
Folhas de sonho no jardim do solar
As folhas sabem procurar pelo sol
E as raízes, procurar, procurar...

Mas as pessoas da sala de jantar
Essas pessoas da sala de jantar
São as pessoas da sala de jantar
Mas as pessoas da sala de jantar
São ocupadas em nascer e morrer...

Entre meu nascer e morrer,muitas mortes,muitos (re)nascimentos e a feliz descoberta que andar pela rua sem preocupar-se com a ilusão do tempo dá mais alegria do que se pode imaginar e que as nuvens,as árvores,as ruas com suas esquinas sinuosas,nos recebem de braços abertos e nos pedem olhos e ouvidos atentos para todas as vertentes daquilo que habitualmente não vemos.
Quando a gente está cuidando da gente....,não sentimos necessidade de brigar, de correr, de beber,comer tanto...e de descontar em qualquer forma de fuga nossas insatisfações mais escondidas.
Não precisamos fugir de questões como a de uma grande amiga(esta da foto=) ) :"Sabe o que eu acho estranho?Todo dia acontece alguma coisa comigo...pode ser até ver alguém cair...risos...mas acontece sabe....e ....tem pessoas que...não acontece nada..."Pois bem,sabemos o motivo?Essas pessoas se acomodaram e você não...elas esperam que as coisas cheguem até elas,vão morrer esperando e isso é triste.Desde sentar na frente da TV...sem conceitos,apenas para deixar a mente viajar...e poder pensar em ficar mais tempo...Ou simplesmente lavar roupa de biquíni...rsrsrs...
Poder ter o prazer de fazer o que se gosta...Em mim, escrever e soltar o que me corrói,escrever sobre o que me sufoca...escrever não apenas como válvula de escape,mas com prazer de quem saboreia um sorvete num dia de sol...é permitir-me ser eu mesma sem travas ou grades. Ouvir a inspiração que vem daqueles sentimentos obscuros que poucos têm vontade ou coragem para falar: medos,incertezas,inseguranças,saudades,lembranças...e tantos outros que são iluminados mas por brilharem tanto as pessoas também têm medo...de ofuscar,de modificar,e tocar as outras pessoas...A vida é mesmo uma caixinha de surpresas quando a gente começa a amar a vida,elas aparecem,nossa mente reage...e o espírito segue junto,rumo a projetos antes não arriscados por falta da tão amada liberdade,gratuita,imensa,incomensurável dentro daqueles que ousam agarrá-la sem as mãos.

Que sejam contratuais os meus dias de liberdade...de férias...deste "tempo livre" para olhar a mim mesma...mas são meus,e deles jorram a minha redescoberta onde aprendi enfim que:

"Não tenho tempo para mais nada. Ser Feliz me consome muito ..."


2 comentários:

Nido: disse...

Espero que escreva muito nas férias. Pessoas como eu, amantes da boa leitura e de pessoas que expressam fabulosamente seus pensamentos, necessitam de Blogs como o seu!

mercy disse...

Parabéns, está maravilhoso, que leveza e sensibilidade q vc tem. Vc é uma escritora, já pensou em escrever um livro? Seria um grande feito. Bjs